sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O Outrem

Estou novamente apaixonado:
pela casualidade do nada,
pelo descuido do engano,
pelo anúncio do analfabeto...
Sou mesmo um tolo.
Perdi a passagem
e ainda sigo querendo ir de carona!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Um "P" de Paciência

Já dizia Camões:

"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?"

Não sei se poderia haver outro soneto tão incompleto e completo, ao mesmo tempo, como este. Completo é por descrever com muita exatidão o sentimento que desenvolvemos ao pôr nossos hormônios à flor da pele... mas diria mais: à fusão da nossa incompreensão material, ou seja, à nossa alma. É nesta situação em que muitas vezes perdemos ou ganhamos um "pedaço" a mais de todo sentido da vida, de todo sonho impossível sendo alcançado... Mas onde entra o incompleto nessa história? Entra no fato do engano, do mono, das indagações, das lamentações:

- Amo, mas não sou amado(a);
- Ele(a);
- Pq?
- O que preciso fazer para ser amado(a)?

É comum se julgar em estar só e em amar de forma não-correspondida. O detalhe entra onde o não-buscar faz parte. Não é procurar, não é suprir carência, não é interesse, não é nada disso...
O que dizer a respeito disso tudo? NADA! Isso simplesmente acontece, seja através do insólito ou do simples convívio. A paciência e perseverança serão os focos que precisaremos pra vencer essas nossas angústias e medos.

Seja forte, pois tudo chega no seu devido momento... e quando chegar, aproveite ao máximo: